Viaduto da Jatuarana será inaugurado nos próximos 30 dias.

Após mais uma visita ao viaduto que está sendo erguido na BR-364 com Avenida Jatuarana e conversar com um dos responsáveis pela execução do projeto, engenheiro Paulo Valadares, o prefeito Roberto Sobrinho garantiu que a obra será entregue nos próximos 30 dias. O prefeito disse estar bastante animado com o andamento dos trabalhos, o que vai facilitar a ligação da zona Sul com o restante da capital rondoniense.

Roberto Sobrinho percorreu todo trecho da elevação, que é de 600 metros, fez várias perguntas a respeito do andamento da obra e, principalmente, sobre a previsão de entrega. Paulo Valadares respondeu aos questionamentos, falou detalhes técnicos do projeto e explicou que naquele momento os operários trabalhavam no preparo da sub-base do aterro.

“Os próximos passos serão o preparo da base e aplicação do asfalto. Acreditamos que dentro de 20 a 30 dias ficará pronto”, enfatizou.

O prefeito recordou que além das chuvas, várias interferências contribuíram para o atraso na entrega da obra. Citou como exemplo a mudança da rede de energia elétrica, uma das principais dificuldades enfrentadas, mas que já foi superada, graças ao esforço da Eletrobrás Rondônia. “Este viaduto será o primeiro a ser entregue. Priorizamos a obra por conta da intervenção pesada que precisamos fazer no Trevo do Roque e a necessidade de criarmos alternativa de tráfego para quem vem da BR e da zona Sul”, explicou Roberto Sobrinho.
Esclarecimento
A título de esclarecimento, Roberto Sobrinho explicou que obras com grande movimentação de terra, como é o caso daquele viaduto, não podem ser executadas durante o período de chuva. “Tecnicamente é inviável, vira lama e compromete a qualidade de todo o trabalho”, frisou.
Aos que tentam comparar a obra com a construção da ponte sobre o Rio Madeira, afirmando ser possível sim trabalhar com terra em meio às fortes chuvas, já que as pilastras da ponte são erguidas em pleno rio, o prefeito foi enfático em responder que uma coisa não tem nada a ver com a outra, por se tratar “de tecnologia totalmente diferenciada”.
Segundo o engenheiro Paulo Valadares, foram necessários 60 mil metros cúbicos de cascalho para construir a elevação da BR-364 no viaduto da Jatuarana, o que corresponde a 4.500 carradas de aterro. Ele endossou as palavras do prefeito afirmando ser totalmente inviável executar serviços de terraplanagem e preparação de base debaixo de fortes chuvas, como ocorre na capital durante o chamado “inverno amazônico”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *